História - Guerra do Yom Kippur

As 14 horas do 6 de outubro de 1973, em pleno feriado de Yom Kippur, 32 mil soldados egípcios cruzaram o canal de Suez, em 6 pontos, apanhando os israelenses completamente desprevenidos. Nesse mesmo dia e horário, os sírios atacaram fazendo uma intensa barragem de artilharia e com ataques aéreos. Na fronteira com a Síria haviam somente 3 mil soldados israelenses, que enfrentaram um ataque de 40 mil soldados.

Os ataques sírios foram concentrados nas colinas de Golan, onde acreditavam que os reforços israelenses levariam pelo menos 24 horas para chegar, no entanto, os reforços chegaram em apenas 12 horas, impedindo assim, que os sírios avançassem com seus planos iniciais.

Os sírios e egípicios carregavam um grande número de mísseis antiaéreos para manter a temida força aérea israelense fora de combate. Na península do Sinai, a primeira linha defensiva montada, na margem oriental do canal de Suez, foi rapidamente destruída pelos egípcios, obrigando um amplo recuo.

Pequenas unidades infiltraram no interior da península e implantaram minas e explosivos nas estradas usadas pelos israelenses para levar reforços a linha de frente. No final da tarde os egípcios tinham conquistado todas as posições fortificadas israelenses às margens do canal de Suez. No norte, os sírios conquistaram as colinas de Golan e expulsaram os israelenses que a defendia. No dia 8 de outubro, no 3º dia da guerra, os sírios foram empurrados de volta a Síria, devido a um grande ataque israelense realizado nas colinas de Golan.

No dia 9 de outubro os egípcios foram obrigados a parar, em função da falta de suprimentos. Entre os dias 10 e 11 de outubro, os combates diminuíram a intensidade com ambos os lados tentando reagrupar suas tropas. Nesse meio tempo os Estados Unidos da América (aliado de Israel) e a União Soviética(aliada dos Árabes) iniciaram intensos esforços para mandar recursos para seus aliados, através de aviões que cruzavam o mediterrâneo levando munição e suprimentos.

No dia 15, com a situação dos suprimentos resolvida, as forças israelenses invadiram furtivamente as linhas egípcias e implantaram explosivos na retaguarda egípcia, impedindo a chegada de reforços e suprimentos. Isso permitiu ao exército israelense construir uma ponte no canal de Suez e estabelecer uma posição naquele local recebendo reforços a cada dia. A posição síria nas colinas de Golan sofreu um pesado ataque israelense que resultou na completa tomada daquela posição, permitindo o avanço de Israel e o cercamento de todo o exército egípcio na península do Sinai. No dia 25 o exercíto israelense estava a 100 km da capital a cidade do Cairo. O poderoso exército egípcio, recém equipado com as melhores armas soviéticas, estava a um passo de sua aniquilação, quando o presidente Sadat pediu o fim da guerra.

Israel aceitou.